Pelo Direito de Parir e (Re)Nascer com Respeito

As mulheres costumam falar do seu parto. De forma mais ou menos voluntária, em contextos diferentes, é notável como não se esquecem do que aconteceu naquele dia, por mais tempo que tenha passado. O que se passou, quem estava lá, como se sentiram. Infelizmente, muitas dessas histórias têm, em algum ponto (ou grande parte) do enredo, exemplos de falta de respeito, coisas que a mulher não sabia o que eram, “chatices” ou mesmo trauma. Quase todas as histórias têm traços de violência obstétrica. Algumas ainda choram ao contar. Outras sentem-se zangadas. Outras encolhem os ombros e acrescentam um apressado “pronto, teve de ser.” A culpa e a ideia de que […]